Governo libera saque do FGTS de contas inativas; Saiba tudo Aqui…

Governo libera saque do FGTS de contas inativas
Mais de dez milhões de pessoas podem ser beneficiadas. E vai mudar também cartão de crédito: taxa de juros do rotativo deve cair pela metade.
FACEBOOK
Diante da crise econômica, o governo anunciou duas medidas que podem aliviar o bolso dos brasileiros. Uma delas é o uso do FGTS para pagar dívidas. Mais de dez milhões de pessoas podem ser beneficiadas. Ou cerca de R$ 30 bilhões de injeção na economia. Dinheiro para muita gente sair da inadimplência e estimular a economia.
Tem mudança também no cartão de crédito. A expectativa é que a taxa de juros do rotativo caia pela metade.
Cartão, maquininha, cartão, maquininha… Se bobear, o valor acumula. Até que…
“A gente não vai conseguindo, vai virando uma bola de neve para quitar todas as dívidas”, disse a auxiliar de limpeza Jovilma de Lima.
Dívidas que Jovilma penou pra pagar. Ela até cancelou o cartão. Tudo porque caiu na tentação de só pagar o mínimo da fatura – 15% do total.
“Só pagando o mínimo e deixando o restante para depois, depois. E foi virando uma bola de neve no final”, contou Jovilma.
Também, esse restante que o cliente empurra para pagar depois, o chamado rotativo, tem juros altíssimos. Em outubro, passaram de 475% ao ano.
Hoje, os juros do rotativo são cobrados enquanto o consumidor não quita toda a fatura. O governo anunciou que esses juros só vão valer sobre o valor total por, no máximo, 30 dias. Depois desse prazo, se o consumidor não conseguir pagar tudo, a operação é transformada automaticamente em crédito parcelado, em até 24 vezes, com taxas mais baixas.
“Esse crédito rotativo terá a sua taxa de juros praticada pelos bancos caindo por valor aproximadamente menos do que a metade do valor hoje do custo hoje do crédito do cartão, e no parcelado um valor um custo ainda menor”, afirmou o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.
A expectativa é que os juros comecem a cair em 3 meses. E a inadimplência no rotativo, também. Em outubro, ela foi de 36%.
Outra medida para aquecer a economia, segundo o governo, está ligada ao FGTS. Quem tem conta inativa até 31 de dezembro de 2015 vai poder sacar o dinheiro. São 10,2 milhões de pessoas que podem ser beneficiadas. E a expectativa é que o valor das retiradas gire em torno de R$ 30 bilhões.
As contas inativas são aquelas que ficam paradas, sem receber depósito nenhum, depois que o trabalhador pede demissão do emprego ou é demitido com justa causa. Até agora, ele só podia sacar o dinheiro ao se aposentar, comprando a casa própria ou quando completava 3 anos sem carteira assinada. Agora, vai poder sacar tudo.
“Com certeza, melhor do que deixar lá, né? Porque a gente sempre precisa, né?”, disse Adriana. Ela calcula que tem uns R$ 2 mil para sacar.
Mas 86% das contas têm, no máximo, um salário-mínimo. A Caixa Econômica divulga, até fevereiro, o calendário de saques com base na data de nascimento do trabalhador.
“Não há necessidade das pessoas atropeladamente correrem à caixa econômica para essa retirada. Haverá um cronograma que será divulgado e há necessidade desse espaço de tempo para que haja a alteração dos sistemas de informática e tudo”, ressaltou o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira.
Para descobrir se tem contas inativas e o saldo de cada uma, o trabalhador pode acessar o site da Caixa Econômica ou procurar uma agência, com o número do PIS e da senha do cartão cidadão. O governo garantiu que a medida não traz risco para os setores que usam o dinheiro do FGTS, como habitação, mobilidade urbana e saneamento.
As taxas de rendimento do FGTS são baixas: 3% ao ano mais TR. Por isso, Leonardo vai atrás. Quer pagar dívidas.
“Muita crise, tudo preço alto, então o que vier, minha filha, tem que pegar, né? Já que é nosso vamos usufruir dele”, concluiu o servidor público Leonardo da Costa.
O calendário de saque das contas inativas do FGTS será feito de acordo com a data de nascimento dos trabalhadores e deve ser divulgado até 1º de fevereiro.
Já para que a mudança no rotativo dos cartões de crédito passe a valer, o Conselho Monetário Nacional ainda precisa baixar uma resolução.
Fonte: http://g1.globo.com

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *